Menus de configuração no Painel de Administração

IBGA - Instituto Brasileiro de Gestão Avançada

Planejamento de carreira: Qual o seu talento?

O apressado come cru e eu como mais descansado... Zé Rodrix

Este artigo é o terceiro de uma série de sete publicações semanais sobre planejamento de carreira. Esta série é destinada tanto a um estudante do ensino médio, quanto a um profissional experiente ou um aposentado querendo uma segunda carreira. Portanto, dependendo de eu nível de interesse, você pode pular algumas das publicações. No entanto, sugiro que comece pelo início, afinal, carreira e mercado são dinâmicos.

Planejamento de carreira: Qual o seu talento?


Este artigo é o 3º de uma série de sete, para ler o artigo número um você encontrará o link no final desta página.


Primeiro vamos definir talento e aprendizado.

A palavra Talento vem do latim talentum e significa certo peso de matéria preciosa, moeda antiga da Grécia e de Roma, intelecto notável, que se afirma por méritos excepcionais, aptidão, capacidade inata ou adquirida. Esqueça o inato e foque-se no adquirir. Ao contrário de quem nasce rico, a aquisição de aprendizado não pode vir de herança.

Planejamento de carreira: Conhecimentos e Experiências

O conhecimento vem da capacidade de garimpar informações de fontes de dados e converter estas informações em conhecimento. A experiência acontece através da aplicação das informações e conhecimentos para solucionar algum problema imediato de maneira prática e eficiente.

É importante que você tenha lido os dois artigos anteriores desta série e realizado o que foi proposto neles. Agora, após analisar e definir seus interesses, chegou a hora de avaliar suas habilidades, conhecimentos e as suas experiências. Isso requer um método de avaliação e um elevado nível de isenção. Para isso é fundamental que você seja capaz de:

  • Reconhecer a necessidade de fazer uma avaliação;
  • Rever suas habilidades e experiências;
  • Avaliar se realmente você “gosta” de realizar o que diz que gosta.

Planejamento de carreira: O que é experiência?

Há dois tipos de experiência que realmente contam na vida prática e na carreira:

Advinda do conhecimento explícito: forma de conhecimento específico, ou de perícia, que, adquirida por meio de aprendizado sistemático, se aprimora com o correr do tempo; prática. Por exemplo, o que você aprendeu na escola ou na vida, mas que foi objetivamente estruturado, por isso você sabe que sabe disso, é capaz de explicar e de debater.

Advinda do conhecimento tácito: forma de conhecimento abrangente, não organizado, ou de sabedoria, adquirida de maneira espontânea durante a vida; prática. Por exemplo, você não sabe que sabe, mas na hora em que tal conhecimento se faz necessário você descobre tal sabedoria e ela resolve os problemas de maneira natural e prática. Você não tem tanta facilidade para explicar e debater sobre isso.

Somando-se estes dois tipos de conhecimento você terá o caminho da sabedoria e, claro, de uma valiosa experiência.

Planejamento de carreira: O maior inimigo do sucesso é o sucesso?

Por mais que uma pessoa seja boa em algo, é importante que ela se avalie de acordo com os contextos que sejam relevantes para sua carreira. Um gestor que é dono do próprio negócio e decide vende-lo e retornar ao mercado de trabalho pode superestimar seu potencial de liderar e de produzir resultados, mas negligenciar a relação hierárquica com superiores, coisa que em seu antigo negócio não havia, ele era o início, o fim e o meio. Num novo contexto hierárquico isso pode ser o fim de sua carreira.

Planejamento de carreira: Avaliação situacional – Estado Atual:

Conhecimentos especializados: Representa a área na qual você é especialista, prático, etc. O que você faz bem? Se você se formou num curso técnico, se fez uma graduação ou se aprendeu com um mestre prático, este é seu conhecimento especializado. E, dentro deste escopo, você faz o quê muito bem? Quais são seus pontos de domínio dentro de sua especialidade?

Habilidades: Uma habilidade é expressa através de um comportamento e dá suporte a ele. Falar em público é uma habilidade que é expressa no ato de falar e transmitir ideias de forma clara e objetiva para inúmeros ouvintes. Se a pessoa não consegue se expressar com naturalidade, objetividade e clareza frente à plateia ou diante de uma câmera isso não significa que ela não saiba se expressar, o que lhe falta é a habilidade para fazer isso no contexto público. Um comportamento é o que deve ser feito, no exemplo, falar em público, ficar relaxado, calmo e centrado nos resultados e na clareza com que se deve expressar para a audiência. A habilidade envolve o estado emocional, a autoconfiança, a segurança e as crenças relacionadas ao comportamento;

Planejamento de carreira: Avaliação Objetiva – Quantidade e Qualidade:

Produção: É a quantidade de coisas que você é capaz de fazer num determinado espaço de tempo. Por exemplo, se você é um técnico em eletrônica e trabalha desenvolvendo painéis solares, sua produção será a quantidade de painéis concluídos em oito horas, uma semana, um mês, etc.;

Produtividade: É a qualidade de painéis realmente bons, que foram feitos em conformidade com os padrões pré-estabelecidos de qualidade, etc. Numa analogia futebolística, se um jogador chutou dez bolas ao gol e só fez um gol, sua produção foi de 10 chutes e sua produtividade foi de um, o que resultou em gol, pois este atingiu o objetivo em termos de qualidade e de solução do problema;

Planejamento de carreira: Seus Pontos Fortes e Fracos:

Pontos Fortes: Faça uma lista de seus pontos fortes, tendo em mente que você leu o artigo número dois desta série e identificou seus interesses e preferências e já delimitou a ou as áreas nas quais deseja atuar. Para aquela ou aquelas áreas em particular, quais são seus pontos fortes. Voltando aos dois tópicos acima, quais são seus pontos fortes dentro de cada um deles?

Pontos Fracos: Agora faça uma lista de seus pontos fracos, pensando em como eliminá-los e substituí-los por comportamentos e habilidades edificantes pode aumentar suas oportunidades em direção a seus objetivos profissionais.

Planejamento de carreira: Descobrindo Oportunidades e Ameaças

Existem pessoas que são muito boas naquilo que fazem. Falam e fazem muito bem a sua especialidade. Isso se a conversa for com um ou dois interlocutores, mas se forem colocadas cinco pessoas na sala de reunião para que ela apresente seu projeto, aí a casa cai. Esta pessoa pode perder oportunidades de promoção ou mesmo de uma vaga de emprego na qual uma das habilidades essenciais seja falar em público e participar de reuniões para de bate de ideias e projetos. Portanto, quanto mais pontos fracos ela tiver, maiores serão as ameaças que eles representam.

No entanto, não adianta nada eliminar um ponto fraco, como o medo de falar em público, se não desenvolver uma habilidade no seu lugar, eliminar o medo não equivale a ter segurança e autoconfiança, pode ser que a pessoa fique apática, sem envolvimento emocional com o que esteja falando. Portanto, sempre que eliminar um ponto fraco, o substitua por um forte que alavanque seu desempenho.

Planejamento de carreira: Pedindo ajuda aos Universitários:

Ajuda aos universitários tornou-se uma frase pejorativa devido ao desempenho de universitários que iam ao programa “Show do Milão” com o propósito de ajudar os competidores nas respostas das perguntas. Na maioria das vezes os universitários eram piores do que os competidores. Daí que pedir ajuda aos universitários não era uma boa alternativa. No entanto, na vida prática e, principalmente, na carreira, é importante contar com ajuda de pessoas experientes, tanto em termos de experiência técnica, quanto de experiência de vida.

Procure ajuda sempre de pessoas que estejam acima do seu patamar de conhecimento e experiência e isso não tem nada a ver com o cargo que elas ocupam ou a formação acadêmica. Você pode contar com ajuda de pessoas que estão na linha de frente da fábrica e aprender muito com elas.

Planejamento de carreira: Projeção de Futuro – Estado Desejado:

Seu Objetivo: Um objetivo não é, necessariamente, um projeto, e muito menos as metas. Vamos esclarecer isso:

Seu objetivo: Ser CEO de uma das cinco empresas das 500 maiores e melhores no prazo máximo de 20 anos da sua formatura;

Seu projeto: Desenvolver um planejamento que o leve a atingir este objetivo. O projeto não durará 20 anos para ficar pronto, ele é um mapa, um documento que estabelece todos os caminhos ou a maioria deles para que você saia de onde está seu Estado Atual – EA e chegue ao objetivo proposto, seu Estado Desejado – ED;

As metas: São as etapas do projeto. Por exemplo, o que você, como um estudante deve fazer para ser um CEO de tal magnitude? Digamos que para ser gestor de uma dessas empresas você precise dominar três idiomas, além do português, é claro. Inglês, espanhol e mandarim. Isso numa escala de nível gerencial, os gestores operacionais devem se virar só com o português, os gestores executivos, de nível 1 a 3 devem dominar também o inglês e daí para cima o mandarim é obrigatório. Suas metas, dentro do projeto global é estabelecer subprojetos (etapas) para aprender e dominar estes idiomas e assim por diante com cada item do seu grande projeto, o objetivo global.

Planejamento de carreira: Construindo seu Projeto:

Todo projeto visa a solução de um problema. Um problema deve caracterizar uma insatisfação. Isso mesmo. Se você é o Vice-Presidente de Uma das 500 MM e deseja ser o Presidente, significa que sua atual posição na empresa é insatisfatória a você, portanto, seu problema (EA) é ser VP e sua solução (ED) é ser o CEO. A estrutura resumida é esta:

Insatisfação – EA
Trabalho
Método
Tempo de espera – prazos
Resultados – intermediários – etapas realizadas
Avaliações e Ajustes
Objetivo alcançado – ED consolidado.

Volte ao artigo número dois e reveja o diagrama das áreas de atividades. Avalie cada uma e pense no futuro, imagine-se lá em cada uma delas e refine seu planejamento de carreira com base no que aprendemos até aqui.

Na semana que vem identificaremos as opções de carreira. Até lá.

Para receber artigos como este em seu e-mail:

botao-acao-ibga-pnl

Leia os demais artigos da série Planejamento de Carreira:

Planejamento de Carreira, como vencer na crise

Que tipo de trabalho tem mais a ver com você?

Planejamento de carreira: Qual o seu talento? – Você está aqui

 


Cursos associados a este artigo:

Conexão – Aprimoramento Pessoal e Profissional – Básico de PNL

Conexão – Aprimoramento Pessoal e Profissional – Básico de PNL

Para receber artigos como este em seu e-mail:

botao-acao-ibga-pnl

  • Leonardo Peixoto

    A leitura deste artigo foi altamente produtiva e abriu possibilidades para que eu esteja encaminhando minhas decisões de forma mais profissional e assertiva.