Menus de configuração no Painel de Administração

IBGA - Instituto Brasileiro de Gestão Avançada

Como o Seu Cérebro Reage à Ansiedade e Afeta Você?

Nada é tão lamentável e nocivo como antecipar desgraças.(Sêneca)

Descubra se Você tem Ansiedade e se Livre Dela

Em momentos de crise você tem sensações de medo, taquicardia e respiração alterada? Isso é ansiedade!

Você dorme pouco e acorda cansado? Você fala consigo mesmo o tempo todo, como se tivesse uma voz interna o alertando sobre seus problemas? Você fica com o coração na mão e perde a vontade de se divertir, de se relacionar e até mesmo o apetite?

Você se torna impaciente, irritante e se irrita com facilidade? Seu desempenho geral fica reduzido?

Se respondeu sim para mais de três das questões sobre ansiedade este artigo vai ajudar você no processo de mudança de comportamento.


Para saber mais sobre o Que é PNL, acesse este link


A Organização Mundial da Saúde diz que a Ansiedade
é um Mal Global

Dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em fevereiro de 2017, apontam que o Brasil possui 9,3% da população com algum tipo de transtorno de ansiedade. Considerando a evolução desses casos para quadros de depressão os índices nacionais representam 5,8%.

“No total, 18,6 milhões de brasileiros viviam com algum transtorno de ansiedade em 2015 e 11,5 milhões de pessoas, com depressão”. Afirma matéria publicada pelo UOL Notícias.

 

O Medo e a Ansiedade

A ansiedade é acelerada e mediada em seu cérebro pelos mecanismos que gerenciam o medo. A amígdala e o hipocampo interferem tanto em seus pensamentos, quanto em seu equilíbrio corporal. Por isso, muitas pessoas, quando ansiosas, têm sensações de náuseas e outros desconfortos fisiológicos.

A questão é: como reduzir a ansiedade e obter mais equilíbrio para conduzir-se melhor, principalmente na crise?

 

O que seus Rins têm a Ver com a Ansiedade?

A ansiedade desencadeia muitas reações hormonais alterando consideravelmente o seu estado emocional. Isso envolve seu sistema endócrino, portanto seus rins.

 

Conheça alguns Disparadores, Sintomas e Reações da Ansiedade:

Superdimensionamento de pequenos problemas:

Uma conta em atraso, uma tarefa pendente, dificuldade em resolver questões de relacionamentos, incapacidade de dizer não e de desmarcar um compromisso podem gerar estresse crescente e desencadear a ansiedade.

Compulsões:

Ter pensamentos repetitivos, na maioria das vezes negativos. Desenvolver mania de perseguição; lavar as mãos várias vezes, levantar-se e andar sem objetivo; roer unhas, puxar os cabelos ou morder objetos. Comer sem controle; ter impulsos violentos ou autodestrutivos como gastar, beber ou ficar sem comer e dormir por preocupações exageradas.

Fobias Sociais e Pânico:

Uma simples conversa com o chefe ou com alguém desconhecido pode ser sofrível para quem está com ansiedade crescente. Falar em público pode ser pior do que morrer. Este estado emocional leva a pessoa a ficar constantemente tensa, com a sensação de que qualquer situação dispara ou aumenta a ansiedade. Por isso, muitos ficam afastados das pessoas ou até mesmo se recolhem totalmente.

Estresse Crescente e Depressão:

Os disparadores listados aqui são os mais comuns. Cada pessoa reage de uma maneira bem pessoal. Na maioria das vezes, os fatores emocionais são os vilões que acentuam todos os demais e até  mesmo os “criam”. Quadros mais severos de ansiedade podem ser diagnosticados como depressão.


O Sistema Endócrino e os Mediadores da Ansiedade

O hormônio cortisol é liberado pela glândula adrenal, em resposta a um aumento do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) no sangue. Este hormônio é liberado pela hipófise anterior através do hormônio liberador de corticotrofina (CRH).

Ansiedade

Uma estrutura central de seu cérebro denominada hipotálamo tem influência em diversos processos reguladores do seu comportamento. Os neurônios do hipotálamo são mediados pela amígdala, estrutura que regula as emoções, principalmente ligadas às aversões e hipocampo, que é outra estrutura associada ao aprendizado e às emoções.

Quando o núcleo central da amígdala é ativado, interfere no eixo Hipotálamo – Hipófise – Adrenal (HPA) que emite a resposta ao estresse. Quando ocorre a ativação indevida da amígdala, como por exemplo, nos casos em que a pessoa superestima, de modo consciente ou não, seus problemas o quadro pode evoluir para uma patologia.


O que o Hipotálamo Faz em seu Cérebro e por Você?

Esta pequena estrutura, localizada no complexo límbico, controla o seu sistema nervoso autônomo, atua no equilíbrio da temperatura do seu corpo, regula e controla os processos da sede e apetite.

Age no processo de contração muscular, incluindo os músculos lisos e do coração.

Participa do controle das emoções e comportamentos; atua na regulação de liberação hormonal de diversas glândulas, incluindo a hipófise.

Age nos processos relacionados ao desejo sexual e regula os estados de consciência e ritmos circadianos (horários de vigília e sono).

Por isso, nos casos de ansiedade e depressão muitas funções orgânicas são alteradas, principalmente as relacionadas ao sono, sexo e apetite.


Como Minimizar os Impactos da Ansiedade e Manter meu Equilíbrio Emocional?

A primeira coisa a fazer é ter serenidade, por mais que isso soe estranho a você. Não importa quantos dos sintomas listados você tenha, se seu grau de ansiedade é muito elevado o primeiro passo é procurar um bom clínico e depois buscar ajuda comportamental.

O que pode ser muito eficiente e rápido com a Programação Neurolinguística – PNL. A PNL possui diversos procedimentos que ajudam você em vários aspectos relacionados à ansiedade:


Identificação dos Disparadores, Sintomas e Reações da Ansiedade

Existem disparadores da ansiedade e para cada pessoa há um grupo particular desses disparadores. Por exemplo, os diálogos internos, aquela vozinha que fica martelando em sua cabeça o tempo todo e a sensação de medo iminente.

Mas pode ser uma situação estressante, como uma conversa com o chefe, uma reunião, uma exposição em público, uma paquera, etc.

As reações representam o que acontece com você diante de cada situação. Por exemplo, ao ter que apresentar uma entrega ao chefe, o que acontece com você? Que sintomas são ativados diante do disparador “falar com o chefe”? Se o problema é com o gênero oposto e também do mesmo gênero numa paquera, o que você sente durante o contato ou o que o impede de fazer este contato?

Identifique os disparadores e sintomas. Eles às vezes se confundem e saber o que causa o que não tem tanta importância. Por exemplo, o que vem primeiro, a ansiedade ou as conversas internas? A fala com o chefe ou a sensação de pânico?

Não há uma lista fechada, são muito pessoais os sintomas, disparadores e reações.


Avaliação Contextual das Manifestações da Ansiedade:

Muitas vezes a ansiedade pode estar associada a um ambiente ou contexto específico. Por exemplo, uma pessoa pode ficar ansiosa enquanto faz uma apresentação de resultados na empresa em que trabalha. E isso pode comprometer seu desempenho e mesmo interferir negativamente em sua carreira.

No entanto, esta mesma pessoa pode fazer apresentações para clientes com extrema naturalidade e até mesmo sentir prazer nisso.


Reações Sociais e Problemas de Comunicação por Ansiedade

A reação social pode ocorrer de várias formas: por gênero, classe social, tipo de evento e mesmo ser específica para determinadas pessoas. Por exemplo, ter inibição diante de pessoas do gênero oposto; não saber lidar com autoridades; com pessoas mais velhas ou mais jovens e sentir-se inibido quando o interlocutor pertence a uma classe social mais elevada ou inferior à sua.


Tudo bem, mas Como Resolver o Problema da Ansiedade?

Normalmente as pessoas que se encontram num quadro de ansiedade buscam resolver o problema através de medicação ou vivem culpando os outros por deixa-las neste estado de tensão. O que fazer para mudar isso?


A primeira coisa a fazer é tomar um AAS, isso mesmo:


A = Aceitar o problema:

Para isso a identificação dos sintomas, disparadores e reações é fundamental;


A = Analisar o Problema:

Ligue as reações, disparadores e sintomas aos contextos, pessoas ou situações. Por exemplo, o que acontece quando você tem uma conta vencida ou precisa ter uma conversa difícil?

Analise cada situação em separado ajuda a eliminar as generalizações e dá a você a condição de observador de si mesmo;


S = Solucionar o Problema
:

Nesta parte pode ser que você precise de ajuda profissional. Um médico, um Coach PeNeLista ou ambos, dependendo do grau de ansiedade no qual você se encontra.

 

Como usar a PNL para Eliminar Ansiedade e Desenvolver seu Equilíbrio Emocional?

As orientações que passei para você neste artigo vão ajudar você se seguidas com critério.

Lembre-se, se você quer obter resultados diferentes, tem que fazer algo diferente. Ninguém vai mudar os resultados sem mudar os comportamentos.

Você pode utilizar a PNL não somente para identificar e eliminar os sintomas da ansiedade. A PNL se mostra ainda mais potente para desenvolver em você as habilidades necessárias para lidar com contextos, pessoas e situações estressantes.

 Acesse os links abaixo e veja como é fácil participar:


Curso(s) Relacionado(s) a este tema:


Conexão – Aprimoramento Pessoal e Profissional – Básico de PNL

Pós-Graduação Latu Sensu MBA em PNL Coaching, Liderança e Gestão Estratégica – EAD e Semipresencial

MiniCurso de PNL Grátis – PNL Express Online